quarta-feira, 4 de setembro de 2013

A PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL (Resumo)


PARA IMPRIMIR ESTE RESUMO CLIQUE AQUI


O CENÁRIO NA EUROPA ANTES DA GUERRA.
Podemos considerar que as principais causas da Primeira Guerra “Mundial” de 1914 a 1918 são de ordem econômicaOs impérios Europeus acirravam os ânimos entre si devido a busca de regiões ricas em matérias primas para suas indústrias e de mercados consumidores para os seus produtos industrializados. O choque de interesses entre as potências imperialistas se agravaram com a entrada da Alemanha (unificada em 1871) e da Itália na corrida imperialista. Alemães e italianos estavam insatisfeitos com a repartição do mundo colonial queriam uma redivisão dos territórios, embora o problema da perda terreno na disputa por colônias tenha sido causado pela unificação tardia destes dois paises.
Indiscutivelmente a Primeira Guerra do século XX foi motivada por fator de ordem econômica, no entanto, não foi o único. As raízes do conflito encontram-se nas rivalidades históricas reavivadas por disputas no século XIX, na Europa verificava-se uma situação de conflito de interesses que colocava frente a frente uma série de países.

Vejamos alguns desses atritos:

· Inglaterra X Alemanha: As duas maiores potências industriais da Europa disputavam os mercados mundiais com extrema tenacidade. A Inglaterra tinha a vantagem de possuir mais colônias na África e na Ásia;

· França X Alemanha: Ao unificar-se a Alemanha, anexou as províncias francesas de Alsácia e Lorena, ricas em ferro e carvão – base para a indústria. Isso estimulou um sentimento revanchista e anti-germânico nos franceses.

· França X Itália: Esses dois países disputavam a posse da Tunísia, na África.

· Rússia X Império Áustro-Húngaro: A Rússia era o maior dos países eslavos, e além de posicionar-se a favor da Sérvia na questão dos Bálcãs, ambicionava formar uma grande nação eslava sob seu comando.


A PREPARAÇÃO PARA A GUERRA

Anteriormente abordamos alguns dos motivos gerais (de ordem econômica e as rivalidades históricas) que contribuiram para a Primeira Grande Guerra do século XX, agora verificaremos os muitos atritos que envolviam as potências européias.
A insegurança provocada pelo clima hostil entre as potências, provocou uma verdadeira corrida armamentista preventiva, que ficou conhecida com a hipócrita denominação de Paz Armada. Isso quer dizer que os países procuravam incrementar seu poderio bélico (armamentista), imaginando escapar das investidas de nações inimigas. O antagonismo (interesses opostos) entre as nações provocou a formação de blocos de países preparados para um possível enfrentamento armado. Os blocos militares  ou alianças militares, formados a partir de então foram os seguintes:

A) TRÍPLICE ALIANÇA: A Alemanha e o Império Austro-Húngaro assinaram, em 1879, um acordo de ajuda militar mútua. Posteriormente a Itália, em represália pela invasão francesa à Tunísia, aderiu à Tríplice Aliança em 1882. Entretanto, posição italiana nessa aliança foi dúbia desde o princípio. De forma que, secretamente os italianos assinaram um acordo com o bloco rival em caso de guerra, recebendo como recompensa colônias na África.

B) TRÍPLICE ENTENTE: Inicialmente existia um acordo entre França e Inglaterra (Entente Cordiale), no qual a primeira reconhecia as pretensões colonialistas da segunda e esta se comprometia a ajudar a França, no caso de uma agressão alemã. Em 1907 a Rússia adere ao bloco. Formava-se assim a Tríplice Entente.

Importante ressaltar que para os dois blocos militares organizados prevaleceu a máxima: "o inimigo do meu inimigo é meu amigo", ou seja, os paises buscaram aliar-se com nações que possuíssem atritos com seus rivais.

Outro  importante atrito, a chamada Questão Balcânica, gerou o evento que desencadeou a Primeira Guerra, e merece um detalhamento maior. Desde a decadência do Império Turco Otomano, a região dos Bálcãs (tome como referência de local as imediações da Grécia) estava em crise. Resumindo, o quadro de crise política na região assim se apresentava:
- A Sérvia apoiava os movimentos nacionalistas eslavos na luta contra as pretensões da Áustria em anexar a região.
- A Áustria contrariava o plano de formação de um grande país eslavo sob a liderança da Sérvia; - O Império Russo pretendia ampliar sua influência na região e obter uma saída para o Mar Mediterrâneo;
- A Turquia, como ex-potência da região, se aproximou da Alemanha e da Áustria para impedir o avanço russo.

OPS lembrem-se!! Observem que as razões da Guerra Civil Iugoslava (entre 1991 a 2001) estão relacionadas com as divergências históricas entre sérvios, croatas e bósnios, e são anteriores a Primeira Guerra Mundial. Após a fragmentação da Iugoslávia em 1991 as divergências retornaram com foco na limpeza étnica em áreas de população sérvia. O ideal de criação da Grande Sérvia ainda é a percepção e principal meta para os sérvios. Em resumo a região ainda continua um barril de pólvora no século XXI.



Assim, percebe-se que a região balcânica era um verdadeiro barril de pólvora no começo do século XX. Como dizia na época: o inicio da guerra estava por uma centelha. Só faltava um pretexto para se atear fogo ao estopim nesse barril de pólvora. A fagulha ocorreu com o assassinato do herdeiro do trono austríaco, o Arquiduque Francisco Ferdinando.
Acaso do destino ou imprudência? Fico com a segunda opção. Resolveu o arquiduque visitar, no dia 28 de junho de 1914, Sarajevo, a capital da Bósnia. Esta atitude insensata do arquiduque Francisco Ferdinando é comparável a hipotética visita do presidente Obama ao Iraque nos dias atuais desfilando em carro aberto. Imaginaram qual seria o resultado??
Os assassinos de Francisco Ferdinando eram ligados ao movimento nacionalista sérvio, e, por isso, Áustria declarou guerra à Sérvia no dia 28 de julho do mesmo ano. A Rússia manifestou solidariedade à Sérvia, e a Alemanha declarou guerra à Rússia, no dia 1º de agosto de 1914. É a aplicação da máxima: "o inimigo do meu inimigo é meu amigo", lembram!!! Este horizonte de eventos desencadeou o conflito entre os países membros das duas alianças militares, arrastando o mundo para uma das mais sangrentas guerras do século XX.

Os primeiros movimentos da Guerra.

Em 3 de agosto, a Alemanha declarou guerra à França, e no dia seguinte, invadiu a Bélgica. Na frente oeste, nos primeiros meses da guerra, a iniciativa coube aos alemães, que tomaram grandes extensões dos territórios belga e francês.
Na frente leste, o exército russo parecia vitorioso, conquistando parte da Prússia Oriental (atual território da Polônia, na época pertencente a Alemanha).

As Fases da Guerra.

Podemos caracterizar a fase inicial da guerra pela ocorrência de um frenético avanço de tropas conquistando territórios e pelo elevado número de mortos. Estas caracteristicas fazem parte da primeira fase da guerra denominada de Guerra de Movimento. Contudo, o expressivo número de mortos nesta fase foi a motivo para a adoção de uma estratégia mais defensiva que procurava não expor os exércitos em campo aberto visando preserva-los das modernas armas de guerra e assim inicia-se uma nova fase.
A segunda fase seria a Guerra de Trincheiras ou Guerra de Posições. Sem condições de manter o ritmo inicial, os exércitos alemães recuaram na frente oeste e retomaram os territórios na frente leste. Depois disso, tanto as forças da Entente como as da Tríplice Aliança mantiveram as posições e sem condições de romper as linhas das forças inimigas. Esta situação perdurou até praticamente o fim da guerra.
Em maio de 1915, a Itália declarou guerra à Alemanha e à Áustria, teoricamente seus aliados. Esta atitude da Itália foi oportunista, esperava lutando ao lado da França e da Inglaterra, obter territórios nas províncias rebeldes e na África.
O esforço de guerra começou a ser sentido pelas populações dos países em guerra. A falta de alimentos, de matérias-primas e as condições de trabalho provocaram greves, motins e levantes operários, principalmente na Alemanha.
Na frente de batalha, o quadro se modificou profundamente depois de abril de 1917. Submarinos alemães afundaram navios norte-americanos, provocando a entrada dos Estados Unidos na guerra.
Os Estados Unidos já forneciam armas, munições e alimentos aos aliados. Agora, o peso econômico-industrial “ianque” faria mudar o rumo do conflito, pois os alemães não tinham condições de materiais de continuar lutando por muito tempo. Entretanto, convém lembrar que a entrada dos EUA na guerra também se explica pelo fato de que se houvesse vitória da Alemanha, todo investimento estadunidense aplicado nos países da Entente durante os três primeiros anos da guerra estariam perdidos. A Revolução Russa corroborou para os Estados Unidos optarem em entrar no conflito. Em 1917 (outubro/novembro), a Rússia saiu da guerra, depois que os bolcheviques (Revolução Russa) tomaram o poder. Este acontecimento deu condições para que a Alemanha prolongasse sua permanência na guerra por mais de um ano. Em 1918, os aliados dos alemães abandonam a guerra deixando-os sozinhos. Na Alemanha, revoltas populares, levantes de soldados e marinheiros paralisavam a máquina de guerra. Exaustos no dia 9 de novembro de 1918, o imperador Guilherme II foi derrubado e substituído por um governo provisório (social-democrata), o qual assinou o armistício (suspensão do conflito) com os aliados. A guerra havia acabado. Em janeiro de 1919, começou a Conferência de Paz de Versalhes, que se encerraria em 28 de junho.
Os Termos da Rendição: Em janeiro, o presidente dos EUA, Wilson propôs os seus famosos “14 pontos” para uma paz mais justa. Contudo a intolerância e insistência da França e da Inglaterra em exigirem reparações, invalidaram a iniciativa do presidente dos EUA.

Numa conferência foi assinado o Tratado de Versalhes, que determinou o seguinte:
· Criação da Liga das Nações, para mediar diplomaticamente os conflitos internacionais. A Liga foi o embrião da ONU, porém, já surgiu com seus poderes pouco efetivos. Isso porque a Alemanha, responsabilizada pela guerra, a Rússia, abalada pela Revolução socialista e os EUA, discordantes do Tratado de Versalhes, ficaram de fora desse organismo;
· Estabelecimento de novas fronteiras. A Alemanha devolveu a Alsácia-Lorena para a França e cedeu territórios para a criação da Polônia como país independente. O território alemão ficou ainda dividido em duas porções pelo corredor polonês, para dar acesso ao mar à Polônia;
· A Alemanha perdia suas colônias e ficava obrigada a desmilitarizar e limitar o efetivo do seu exército a 100 mil homens e a desmantelar as fortificações fronteiriças;
· A Alemanha e seus aliados foram considerados responsáveis pela guerra e condenados a pagar pesadíssimas indenizações. As indenizações exigiram a entrega dos navios acima de mil toneladas e de diversos recursos naturais alemães à exploração dos países vencedores.

Evidentemente, essas imposições eram demasiado pesadas para que a Alemanha pudesse cumpri-las na sua integralidade. O presidente dos EUA, Woodron Wilson, insistentemente alertava aos líderes da Inglaterra e da França que uma rendição honrosa e viável para a Alemanha seria a garantia de uma paz duradoura, mas os teimosos líderes ingleses e franceses não acataram as recomendações de Wilson. Assim, os anos 20 foram tremendamente difíceis para a Alemanha, devido as imposições do Tratado de Versalhes, gerando um sentimento de frustração e revanche no povo alemão. Nos termos do Tratado de Versalhes encontramos entre outras as origens da 2ª Guerra Mundial.

Após as decisões do Tratado de Versalhes os EUA adotam uma política internacional isolacionista "dando as costas" aos países da Europa.

O Império Áustrro-Húngaro também foi penalizado no Tratado de Saint-Germain, que lhe tirou a saída para o mar e reduziu drasticamente seu território.

O Esfacelamento do Império Otomano e a crise entre palestinos e o Estado de Israel. 

Quando o Império Turco Otomano foi desmembrado, após a Primeira Grande Guerra, surgem novos países e diferentes povos. Um detalhe que normalmente passa desapercebido é que a desintegração do Império Otomano vai ser a semente das futuras desavenças entre palestinos e israelenses, bastante acentuadas após a Segunda Guerra Mundial. Síria, Monte Líbano, Palestina, Meca e Medina eram parte do Império Otomano, de população majoritariamente árabe e que professavam as seguinte religiões: o islamismo, o cristianismo e o judaismo. 
O controle destes territórios, então herdados do Império Otomano, coube à Inglaterra e a França que visavam resguardar seus interesses colonialistas e portanto ignoram sistematicamente as reivindicações árabes para formar países independentes. A Liga das Nações (um arremedo do que seria a ONU), em 1922, resolve dividir a região em mandatos (territórios) que seriam administrados por França e Inglaterra por períodos determinados.
Neste mesmo ano a Carta da Liga das Nações continha uma determinação que entre os objetivos do mandato inglês na Palestina estaria a criação de um território judeu e com a condição de não ferir os interesses da população não judaíca que habitava a região. Ao passo que os paises vizinhos conquistavam sua independência a Palestina mantinha-se sob o controle britânico. Paralelamente o movimento Sionista começa a organizar a migração em massa de judeus para a Palestina deslocando a força a população árabe existente a fim de estabelecer os assentamentos judaícos. Assim, iniciam os primeiros choques violentos entres árabes e judeus provenientes da Europa Oriental. Importante ressaltar que o conflito dos anos 20 não foram de natureza religiosa, mas política. Importante ressaltar que nos dogmas do judaísmo e do islamismo NÃO HÁ(grifo meu) incitação à guerra santa, como alguns desavisados ou mal intencionados formadores de opinião costumam, em suas publicações, apontarem para a religião como causa do conflito. O problema está nas interpretações religiosas equivocadas de radicias sionistas e islâmicos, que infelizmente de certa forma prevalecem no inconsciente coletivo, mascaradas pelo viés político.  A partir de 1936 eclodiram várias revoltas dos palestinos, duramente reprimidas pelos ingleses, contabilizaram aos milhares entre mortos e feridos e outros milhares de presos. O partido nacional palestino exigia já desde àquela época a formação de um governo palestino autônomo. Contudo sem conseguir manter a ordem na Palestina e incapaz de conseguir um Estado aos judeus, sem ferir os direitos e causar revoltas dos palestinos, a Inglaterra entrega o mandato (território) a ONU. Esta era a constatação de que a política internacional inglesa havia fracassado. A partir de então os problemas se avolumaram chegando a seu ponto nevrálgico com a Guerra dos 6 Dias em 1967, conflito que arrefeceu as possibilidades de estabilidade na região. De lá para cá israelenses e palestinos teceram uma relação conflituosa com avanços e retrocessos, como o que está acontecendo em 2014 com o bombardeio israelense na Faixa de Gaza e aos lançamentos de foguetes pelo Hamas em Israel.   

As mudanças geopolíticas.
   
No novo mapa europeu criado, a partir desses tratados, surgem novos países como Hungria, Polônia, Iugoslávia, Tchecoslováquia, Finlândia. Fora da Europa, surgem regiões do espólio do Império Turco-Otomano que originaram os atuais países do Oriente Médio, tais como Jordânia, Síria, Líbano, Iraque.
No âmbito das relações econômicas e sociais, a I Guerra Mundial deu aos EUA a condição de maior potência econômica mundial. Os EUA entraram na guerra como devedores e saíram como credores. A Primeira Guerra Mundial trouxe também um nefasto saldo de algo em torno de 14 milhões de mortes. Pior do que isso, essa guerra, que antes de começar dizia-se que acabaria com todas as outras guerras, apenas acirrou ainda mais os ânimos dos países europeus, uma lamentável realidade que encaminharia a II Guerra Mundial, com danos ainda maiores.
Para saber mais clique no link: http://www.sohistoria.com.br/ef2/primeiraguerra/
O MAPA EUROPA ANTES DA 1ª GRANDE GUERRA


MAPA DA EUROPA APÓS A GUERRA DE 1914 A 1918.

64 comentários:

  1. adorei, me ajudou muito!

    ResponderExcluir
  2. Não foi o que eu procurava.
    Eu queria sobre migrãções na Primeira Guerra Mundial!!!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo Blog!!!!
    Só tenho uma sugestão: se possível organizar os assuntos por tópicos ao invéns de datas. Fica mais fácil de achá-los.
    Parabéns mais uma vez!! :)

    ResponderExcluir
  4. História de Mestre15 de julho de 2011 08:37

    Obrigado pelo incentivo e pela sugestão!!
    Ressalto que os assuntos já estão organizados por tópicos. Favor verificar na seção "Assuntos das aulas". Grande abraço
    Continue participando do Blog.

    ResponderExcluir
  5. Resumos são feitos para serem curtos. Faltou isso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. parabens tirou as palavras da minha boca.....

      Excluir
    2. Ok. Digamos que me empolguei e estiquei o resumo. Agradeço sua participação!! Abraços Fernando

      Excluir
    3. Muito obrigado. Me ajudou bastante! Nesse blog tinha praticamente tudo o que eu queria saber! Está de parabéns

      Excluir
    4. vc está certinho pois este blog e de mais e tb me ajudou em varios aspectos

      Excluir
  6. Confesso que me empolguei, mas a turma solicitou mais detalhes sobre o assunto. Contudo ainda assim está bem enxuto.

    ResponderExcluir
  7. sou amante da historia da 1º e 2º guerras mundias,e vcs me ensinar muito mas obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Pimentel, agradeço pelo comentário. Realmente as duas grandes guerras do século XX foram marcos importantes, embora trágicos, na História Contemporânea.

      Excluir
  8. poderiao ser mais explicitos com as palavras mas ja encontrem o que queria !!!!!

    ResponderExcluir
  9. como vou achar o que estou procurando!!!da uma preguiça de ler tudo isso...mas parabens pelo site,muito bom!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá. Você pode procurar por assunto na seção "Assuntos das Aulas" (na coluna esquerda do Blog). E por favor mande a preguiça embora... Obrigado por seu comentário e continue participando do Blog. Abraços Fernando

      Excluir
    2. como???jefferson

      Excluir
  10. mto obrigado! apesar que ñ ajudo mto mais tudoo bem! :**

    ResponderExcluir
  11. bom!diria melhor otimo!!!

    ResponderExcluir
  12. aiiiiiiiiiiiiiiiii obrigadaaaaaaaaaaa vc me ajudou muitohj com esse resumo

    ResponderExcluir
  13. nao me serviu de nada

    ResponderExcluir
  14. Adoreiiiii, obrigada pelas informações!

    ResponderExcluir
  15. sou professor de história e gostei muito da pagina que me ajudou muito como complemento para minhas aulas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Ordones, fico feliz pelo Blog ter contribuído na sua prática em sala de aula.
      Abraço

      Fernando

      Excluir
  16. O Império Otomano foi desmembrado após a Primeira Guerra
    Mundial, em 1920, pelo Tratado de Sèvres, dando origem a
    países como Síria, Líbano e Palestina; além disso, regiões
    como a de Esmirna passaram a ser controladas pela Grécia.

    queria saber se isso está certo, estava em uma prova do cespe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, está correto. O Império Otomano entrou na Primeira Guerra Mundial não por acaso e sim, com interesse em reaver antigas possessões como a Bósnia, Herzegovina, Bulgária, parte da Romênia (região da antiga Trácia) anexadas pelo Império Austro-Húngaro, além de outras regiões anexadas pela Rússia dos czares como a Armênia, Curdistão. Devido a campanha vitoriosa dos otomanos na região da Anatólia os alemães acenaram-lhes a possibilidade de reaver estas antigas possessões, mas ao final com a derrota da Alemanha na Primeira Guerra Mundial o Império Otomano desabou junto. O Tratado de Sevres determinou que Síria, Líbano e Palestina ficariam sobre influência de Inglaterra e ou França. A Grécia tornou-se independente e de quebra ainda ganhou a posse da região de Esmirna. Mais tarde os turcos retomaram Esmirna na campanha da independência turca. Síria, Líbano e Palestina ficaram como protetorados anglo francês até pouco depois da 2ª Guerra Mundial..... mas esta é outra História.
      Abraços
      Fernando

      Excluir
    2. oi gostaria de saber oque influenciou e aumentou o estado da luta na europa ??
      nao to achando

      Excluir
    3. oi, tentei achar alguma coisa que fale sobre a HISTORIA DA AFRICA
      mais nao achei :( vc pode me ajudar fernando ?
      a pergunta e - vc e contra a indenizacao europeia ?
      nao achei nd que eu possa ler para responder isso
      se vc pudesse me ajudar hj , ate antes das 16:00 ESTAREI GRATA A VC

      Excluir
    4. Em relação ao aumento da luta na Europa, creio que a pergunta refere-se ao aumento da tensão entre as potencias imperialistas. Sobre este aspecto a resposta deve abordar não um, mas o conjunto de fatores que influenciaram o acirramento dos ânimos. De uma forma geral podemos apontar: o choque de interesses econômicos e as rivalidades históricas entres as potencias imperialistas. Estes fatores se desdobraram em outros como por exemplo os atritos motivados pela corrida colonial africana (atritos estes relacionados aos interesses comerciais divergentes entre as potencias imperialistas), contribuindo para o desequilíbrio europeu, responsável pela eclosão da Primeira Guerra Mundial.

      Excluir
    5. Sobre a questão da indenização creio que você refere-se a proposta de compensação e reparação dos países europeus aos países africanos em razão da espoliação que estes últimos sofreram no período do neocolonialismo e a repartição do continente africano entre as potencias europeias. Considerando que os povos da África foram deslocados de suas terras para dar lugar a exploração econômica da mineração e "plantations" exportadoras nos quias tinham que trabalhar em condições precárias, muitas vezes, em regimes compulsórios. Além da desorganização da produção de alimentos em todo o continente, cujas origens são o início aos sérios problemas de fome vividas hoje em dia. Não bastasse os europeus cobrarem impostos, em dinheiro aos africanos que possuiam economias não monetárias, obrigando-os a trabalhar, na maioria das vezes para as empresas europeias, para poderem pagar os impostos. E por fim, considerarem a cultura africana inferior e desrespeitarem seus os valores culturais milenares impondo as línguas européias aos povos dominados considerando os africanos seres humanos de segunda classe, por todas estas razões SOU A FAVOR DA REPARAÇÃO DOS PAÍSES EUROPEUS AOS PAÍSES DA ÁFRICA.
      Espero que tenha ajudado à tempo!!

      Excluir
  17. me da uma ajuda ?? preciso .. ( descrever o nome e os componentes dos blocos rivais na primeira guerra mundial explicando seus motivos para entrada na guerra ) pfvr , obrigada .. agradeco :)

    ResponderExcluir
  18. Os dois blocos rivais da 1ª Guerra eram:
    - TRÍPLICE ALIANÇA: Formada pela Alemanha e o Império Austro-Húngaro, depois a Itália aderiu.
    - TRÍPLICE ENTENTE: Formada pela Inglaterra, França e Rússia.
    De forma geral os motivos eram de ordem econômica. As potencias imperiais europeias tinham interesses comerciais conflitantes, principalmente a Alemanha e Inglaterra, no entanto, o fator econômico não foi o único. As raízes do conflito encontram-se nas rivalidades históricas reavivadas por disputas no século XIX, na Europa verificava-se uma situação de conflito de interesses que colocava frente a frente uma série de países. Detalhando melhor encontramos o seguinte quadro:
    a) Inglaterra X Alemanha: As duas maiores potências industriais da Europa disputavam os mercados mundiais com extrema tenacidade. A Inglaterra tinha a vantagem de possuir mais colônias na África e na Ásia;

    b) França X Alemanha: Ao unificar-se a Alemanha, anexou as províncias francesas de Alsácia e Lorena, ricas em ferro e carvão – base para a indústria. Isso estimulou um sentimento revanchista e anti-germânico nos franceses.

    c) França X Itália: Esses dois países disputavam a posse da Tunísia, na África.

    d) Rússia X Império Áustro-Húngaro: A Rússia era o maior dos países eslavos, e além de posicionar-se a favor da Sérvia na questão dos Bálcãs, ambicionava formar uma grande nação eslava sob seu comando.

    Outro importante atrito, a chamada Questão Balcânica, gerou o evento que desencadeou a Primeira Guerra, e merece um detalhamento maior. Desde a decadência do Império Turco Otomano, a região dos Bálcãs (tome como referência de local as imediações da Grécia) estava em crise. Resumindo, o quadro de crise política na região assim se apresentava:
    - A Sérvia apoiava os movimentos nacionalistas eslavos na luta contra as pretensões da Áustria em anexar a região.
    - A Áustria contrariava o plano de formação de um grande país eslavo sob a liderança da Sérvia; - O Império Russo pretendia ampliar sua influência na região e obter uma saída para o Mar Mediterrâneo;
    - A Turquia, como ex-potência da região, se aproximou da Alemanha e da Áustria para impedir o avanço russo.

    Espero que tenha lhe ajudado!! Abraços
    Fernando

    ResponderExcluir
  19. quero saber sobre os principais acordos e alianças realizados antes e durante a primeira guerra mundial com a suas datas.

    ResponderExcluir
  20. Estou a procura dos blocos economicos formados pos guera!me da uma ajudinha...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado, desconheço a formação de blocos econômicos após a Primeira Guerra Mundial. A formação de blocos econômicos da forma como verificamos atualmente surgiu pós 2ª Guerra Mundial. A "semente" destas associações com mútuos interesses econômicos entre os países em grande parte ocorreu, ao meu olhar, para atender razões militares estratégicas, principalmente no período da "Guerra Fria". As duas super potências EUA e URSS a fim de fortalecer seus sistemas de hegemonia ideológica e econômica aproveitaram a adesão de países às organizações de cooperação militar, respectivamente a OTAN e o Pacto de Varsóvia, para também criarem pacotes de ajuda econômica como foi o caso do Plano Marshall (voltado para países capitalistas) e o Comecon (países aderentes à URSS). Vale ressaltar que o primeiro bloco econômico constituído fora do viés militar ideológico foi o CECA (Comunidade Européia do Carvão e do Aço) em 1956.
      Entretanto é necessário avaliar qual o conceito de classificação de "Bloco Econômico" deve-se considerar na sua pesquisa, por exemplo, o Mercosul (bloco econômico do qual o Brasil é signatário)e o NAFTA são considerados como união aduaneira, já o bloco econômico União Européia é classificado como união monetária e econômica, ou seja bem mais amplo do que o Mercosul e o Nafta.
      Agradeço pela participação e espero ter ajudado na sua pesquisa.

      Excluir
  21. ata ñ entendirt nada sobre as alianças entre os paises europeus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A política de alianças foi uma estratégia das potencias imperialistas com objetivo de mostrar força ao adversário e também de assegurar maior possibilidade de defesa diante de uma possível investida bélica do inimigo. Diante deste contexto foram criados dois blocos militares:

      A) TRÍPLICE ALIANÇA: A Alemanha e o Império Austro-Húngaro assinaram, em 1879, um acordo de ajuda militar mútua. Posteriormente a Itália, em represália pela invasão francesa à Tunísia, aderiu à Tríplice Aliança em 1882. Entretanto, posição italiana nessa aliança foi dúbia desde o princípio. De forma que, secretamente os italianos assinaram um acordo com o bloco rival em caso de guerra, recebendo como recompensa colônias na África.

      B) TRÍPLICE ENTENTE: Inicialmente existia um acordo entre França e Inglaterra (Entente Cordiale), no qual a primeira reconhecia as pretensões colonialistas da segunda e esta se comprometia a ajudar a França, no caso de uma agressão alemã. Em 1907 a Rússia adere ao bloco. Formava-se assim a Tríplice Entente.

      Importante ressaltar que para os dois blocos militares organizados prevaleceu a máxima: "o inimigo do meu inimigo é meu amigo", ou seja, os países buscaram aliar-se com nações que possuíssem atritos com seus rivais.

      Saudações

      Excluir
  22. você pode me ajudar?!
    que papel desempenharam os interesses imperialistas e o espirito nacionalista nos antecedentes da primeira guerra mundial?!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ambos serviram como justificativa para os governos partirem para o conflito armado. Se por um lado a questão econômica era relevante para as potencias imperialistas afinal a sobrevivência de algumas nações estava atrelada ao domínio das regiões ricas em matérias primas para suas indústrias e dos mercados consumidores para os seus produtos industrializados, por outro o nacionalismo era o "cimento" que contribuía para instigar a opinião pública na defesa incessante dos interesses da nação, mesmo que fosse necessário pegar em armas. Este nacionalismo fica evidente nos discursos inflamados, principalmente entre os nacionalistas da região dos Balcãs.

      Excluir
  23. oi gostaria de saber os resultados da formacao de novos paises na europa ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Após o encerramento das operações militares no palco da guerra o mapa geopolítico da Europa é bastante alterado com o fim dos impérios Austro-húngaro, Otomano e alemão, surgem novos países como Hungria, Polônia, Iugoslávia, Checoslováquia, Finlândia. Fora da Europa, surgem regiões do espólio do Império Turco-Otomano que originaram os atuais países do Oriente Médio, tais como Jordânia, Síria, Líbano, Iraque.

      Excluir
  24. Por que as trincheiras e as novas armas tornaram a primeira guerra um cenário de horrores?

    Por Favor me responda OBRIGADA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Valeska, a trincheira foi uma estratégia adotada pelos integrantes do conflito com a finalidade de diminuir as baixas no campo de batalha em razão do uso das novas tecnologias bélicas a exemplo da metralhadora, canhões de longo alcance, tanques e em menor proporção os ataques aéreos. Entretanto o objetivo para o qual foi criada, ou seja, dar mais proteção aos soldados não surtiu o efeito desejado, contrariando às expectativas acabou ocasionando mais mortes por doenças do que pela guerra em si. Grande parte do tempo dos soldados eram nas trincheiras, como "tatus humanos", habitavam nas valas e ali realizam suas necessidades fisiológicas. Literalmente conviviam com a morte pisando em cadáveres em decomposição, pois no calor das batalhas não havia tempo e os corpos eram enterrados na própria trincheira, ora diante deste ambiente insalubre um inimigo invisível encontrou condições ideais para proliferar: o vírus da gripe. As péssimas condições sanitárias, aliado ao frágil estado de saúde debilitado dos soldados no campo de batalha foi fundamental para espalhar a epidemia da gripe espanhola pela Europa e outros continentes, inclusive no Brasil.

      Excluir
  25. Bom dia , gostaria de saber qual foram os dois blocos políticos surgidos após a 2ª guerra mundial e as alianças militares de cada bloco, obrigado se me pode ajudar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia Rodrigo, após o término da 2ªGuerra mundial surgiram dois blocos ideológicos antagônicos (com ideias contrárias)de um lado, liderado pelos E.U.A, o "bloco" dos países que adotavam o sistema capitalista e do outro ,liderado pela U.R.S.S, o "bloco" dos países socialistas. Esta situação foi o que comumente passou-se denominar de bipolarização ideológica. A política bipolar (EUA x URSS) foi um dos fatores que caracterizaram o século XX, principalmente entre 1947 a 1989 período conhecido como Guerra Fria. A Guerra Fria marca um dos momentos mais tensos da época contemporânea, durante este período o mundo viveu sob a tutela de duas superpotências rivais e o medo real de um apocalíptico conflito nuclear. Entre as contramedidas militares adotadas cada um dos lados elaborou o seu plano estratégico de defesa, guardadas a devidas proporções correspondeu a reedição da Paz Armada na ocasião da Primeira Guerra mundial, com a criação de dois blocos militares: a Otan (representando os países capitalistas)e o Pacto de Varsóvia (os países socialistas).

      Excluir
  26. Bom dia , tenho mais uma duvida gostaria de saber os três episódios mais significativos da guerra fria , o motivo que levou à construção do muro de Berlim, e a crise dos misseis de Cuba, obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Apesar de alguns eventos tensos que deixaram o mundo apreensivo com a possibilidade do perigo real e imediato de uma guerra nuclear podemos apontar o caso mais agudo a crise dos mísseis de Cuba em 1962, EUA e URSS não chegaram as vias de fato, porém ao longo do século XX ambos acabaram alimentando conflitos em outros países como, por exemplo,a Guerra na Coréia e no Vietnã. Maiores informações acesse a seção do História de Mestre : Guerra Fria.
      http://www.historiademestre.blogspot.com.br/search/label/GUERRA%20FRIA
      Abraço

      Excluir
  27. este blog me fez enchegar além do que eu pode ver por isso q eu me aprofundei neste capitulo e tirei nota 10 na prova final da minha faculdade

    ResponderExcluir
  28. gostei muito desse blog,mas vocês podem me ajudar eu preciso de questões relacionadas ao Enem da Tríplice Aliança e seus aliados e as tríplice Entete e seus aliados. De qualquer forma já agradeço.

    ResponderExcluir
  29. Olá, gostaria de saber quais eram os interesses das seguintes nações em relação à política e economia da Europa: Sérvia,Rússia,Alemanha,Império Áustro-húngaro,Inglaterra e França
    Espero que possa me ajudar, agradeço desde já.

    ResponderExcluir
  30. As disputas comerciais entre o Império Britânico e a Alemanha, as duas maiores potências industriais da Europa, eram os mercados mundiais. A Inglaterra tinha a vantagem de possuir mais colônias na África e na Ásia enquanto a Alemanha, por ter demorado em organizar-se politicamente, chegou atrasada e ficou com as colônias menos rentáveis. A Alemanha queria a redivisão da partilha da África e Ásia, proposta esta que foi rejeitada sumariamente pelos Ingleses. Importante ressaltar que o Neocolonialiasmo era uma forma de dupla exploração das colonias, pois para os impérios europeus era vital a matéria prima (principalmente os recursos minerais) extraída das colônias, cuja finalidade era abastecer as indústrias da Europa e paralelamente o mercado colonial teria outra função, serviria para adquirir os produtos industrializados europeus, ou seja era forma de exploração bastante rentável, afinal as potencias da Europa adquiriam matéria prima a baixo custo, transformando-a em produtos industrializados e os vendiam no mercado obtendo altos lucros. Era em razão deste rentável mercado que Alemanha e Inglaterra apostaram seus interesses.

    A França e a Alemanha tinham atritos comerciais e também históricos, pois ao unificar-se a Alemanha, anexou as províncias francesas de Alsácia e Lorena, ricas em ferro e carvão – base para a indústria. Isso estimulou um sentimento revanchista e anti-germânico nos franceses cujas feriadas ainda estavam abertas desde a guerra franco prussiana.

    A Rússia e o Império Áustro-Húngaro tinham disputas no campo político. A Rússia era o maior dos países eslavos, e além de posicionar-se a favor da Sérvia na questão dos Bálcãs, ambicionava formar uma grande nação eslava sob seu comando, mas havia o Império Áustro-Húngaro que atrapalhava as pretensões dos russos.

    ResponderExcluir
  31. historia de mestre e quelson queiros e o mundo em letras....muito obrigado me ajudou muitoooooooooooooooo

    ResponderExcluir
  32. Boa Tarde!
    Gostaria de saber sobre o contexto internacional existente antes da eclosão da Primeira Guerra Mundial/ em 1914

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Podemos considerar que no cenário internacionail as principais potencias rivalizavam entre si sejam por razões de ordem econômica ou históricas. Os impérios Europeus acirravam os ânimos entre si devido a busca de regiões ricas em matérias primas para suas indústrias e de mercados consumidores para os seus produtos industrializados. O choque de interesses entre as potências imperialistas se agravaram com a entrada da Alemanha (unificada em 1871) e da Itália na corrida imperialista. Alemães e italianos estavam insatisfeitos com a repartição do mundo colonial queriam uma redivisão dos territórios, embora o problema da perda terreno na disputa por colônias tenha sido causado pela unificação tardia destes dois paises.
      Indiscutivelmente a Primeira Guerra do século XX foi motivada por fator de ordem econômica, no entanto, não foi o único. As raízes do conflito encontram-se nas rivalidades históricas reavivadas por disputas no século XIX, na Europa verificava-se uma situação de conflito de interesses que colocava frente a frente uma série de países.

      Excluir
  33. Adorei *----* Ficou muito bom e ajudou muito muito muito na minha prova amanhã *risos*

    ResponderExcluir
  34. Uma coisa é fato: se é um resumo, não devia ser tão grande. Mas muito obrigada, foi bem explicado ;)

    ResponderExcluir
  35. Muito Bom, ajudou muito obrigado....

    ResponderExcluir